search instagram arrow-down
Eduardo Merino

Grande parte das técnicas com as quais trabalho, são exercidas sobre o sistema muscular.

A sua representação enquanto unidade global (miofascial), tem sofrido muita controvérsia.

Vamos tentar analisar alguns factos atuais e como consequência algumas reflexões pessoais.

O conceito fascial sofreu um grande avanço científico nos últimos anos. Uma das grandes lacunas que existia , era o facto de só ser utilizada a sua componente mecânica como contexto avaliativo. E como foi evidenciado, as nossas terapêuticas não alteram esta estrutura mecânica.

Os próprios modelos de pontos gatilho, ou zonas especiais de equilíbrio no músculo, parecem estar desatualizados e descontextualizados.

Aliás este é um dos pontos cruciais na mudança da Fisioterapia enquanto doutrina de avaliação e aplicação de conceitos reabilitativos. As técnicas efectuadas de forma isolada na sua estrutura, sem uma integração de conceitos neurofisiológicos, anatômicos e biomecânicos, tem a tendência a invariavelmente não apresentar evidência científica a longo prazo.

Ou seja, um estímulo mecânico dirigido ao corpo humano por si só, o muito que pode gerar é uma resposta fisiológica do corpo reativa no momento da aplicação. Ao longo prazo, tirando a provável memorização ( que depende do tipo, intensidade e forma do estímulo), pouco se irá notar.

E aí temos muitas das técnicas que são utilizadas por nós Fisioterapeutas. Mobilização articular, Massagem, stretching, etc . A chamada Terapia Manual. Ou seja, são as nossas mãos que guiam o movimento e transmitem a informação tátil ao paciente.

O novo paradigma da Fisioterapia mundial, inclui de forma clara 3 novas regras. As técnicas aplicadas devem sempre seguir o perfil do movimento, a (re)aprendizagem motora com exercício e a autonomia do utente. Mas disso falarei noutra publicação.

Voltando à perspectiva sobre o conceito miofascial, ele tem sido amplamente debatido e investigado. E o paradigma mudou.

A embriologia foi estudada e novas possibilidades surgiram. A sua definição deverá incluir tecidos de derivação mesodérmica, considerados como tecido conjuntivo especializado: sangue e linfa. E como é óbvio toda a sua conexão com o sistema nervoso.

Esta fluidez profunda, poderá justificar muitas das adaptações a que a fascia manifesta.

Por um lado teremos um tecido fascial mais sólido, que conecta, divide, liga e suporta. Este claramente mais rígido e pouco susceptível a alterações. Mas teremos um tecido mais líquido, que alimenta, nutre e informa. Este sim muito mais volátil a tudo o que rodeia o ser humano.

E aqui surgem mais dúvidas :

– como estes tecidos interagem?

– Como estes tecidos se transformam?

– Um trauma físico como os altera?

– Será que o trauma emocional também pode interferir?

– O tipo de trabalho muscular influenciará estas estruturas? De que forma?

– Qual será a diferença entre uma técnica sobre uma estrutura muscular passiva ou com mobilidade?

Haverá muitos desenvolvimentos certamente nesta área nos próximos anos. Muitas dúvidas, muita controvérsia, muitas interpretações.

Da minha parte desde muito cedo percebi o quanto arcaico seria trabalhar o músculo sem integração de movimento e consciência corporal. Ou seja, o utente terá de perceber o movimento, entender o sentido da sua reeducação, ser parte ativa de todo o processo e dar continuidade. A nossa parte será sempre de guiar esses conceitos, desenvolver as skills tão necessárias em todas as profissões que dependem das mãos e estar atento a todas as novas evidências.

Partilho alguns artigos sobre vários estudos sobre o tema.

Em relação a outras temáticas como a Terapia Manual, mal possa faço a exposição.

Tratamento miofascial na musculatura da coluna

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30784788/

Nova interpretação

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30197845/

Novo conceito

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30124054/

Novas visões sobre a fascia

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30368329/

Nova visão sobre a importância da fascia no desporto e alta competição

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/30072398/

Deixe uma Resposta
Your email address will not be published. Required fields are marked *

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s

%d bloggers like this: